Google+

sábado, 21 de dezembro de 2013

AS RELAÇÕES DAS CORES COM A SAÚDE

As cores, além de incrementar a estética de tudo de concreto no mundo contemporâneo, servem também para ajudar na cura de diversos males que atingem o corpo humano. De acordo com Maria Cecília Rodrigues de Oliveira, especialista em cromoterapia, as cores possuem qualidades específicas e produzem efeitos diferenciados: calmantes, repousantes, apaziguadores, refrescantes, excitantes e irritantes. Geram bem-estar, aumentam ou diminuem emoções e provocam alterações fisiológicas e psíquicas.
"Quando observamos uma paisagem do alto de uma elevação, é possível ver regiões mais claras e mais escuras, mais alegres e mais tristes, mais atrativas e mais repulsivas", diz Maria Cecília. Uma planície cinzenta demonstra a vibração inferior que possui e produz uma sensação de tristeza, desânimo e depressão. Já um campo de relva avermelhada dá impressão de algo violento, hostil e agressivo, características do vermelho. Se na paisagem houver um plano de luz rosada, predominará um sentimento bom, porque essa cor é caracterizada por um sentimento de amor.
Na cromoterapia, o cuidado com a aplicação das cores e a sintonização - vibração das cores de acordo com as necessidades do paciente - são fundamentais para o sucesso do tratamento. A cromoterapeuta observa que a sintonização dará ao doente maior capacidade receptiva física e psíquica. As ondas coloridas levam as virtudes curativas ao corpo para o restabelecimento orgânico. A aplicação da cor é feita segundo a natureza da perturbação e os efeitos que se deseja obter. "A cor deve ser definida de acordo com as necessidades do paciente. As projeções podem ser feitas de dois modos: por luzes coloridas de lanternas ou, no espiritualismo, por mentalização, realizada por uma 'corrente vibratória' de 10 médiuns, que projetam juntos uma mesma cor", explica Maria Cecília.
"A cor não é o elemento decisivo para as curas, mas completa e reforça o emprego de outros recursos menos delicados. As cores têm essência e raízes etéreas, vibração própria e a transmitem em forma de movimento ou emoção. São elementos que pré-existem no éter cósmico". Maria Cecília acrescenta que um cromoterapeuta dificilmente é materialista. "Pelo contrário, ele deve ter uma visão mais holística do ser humano".
O branco é alegre e o preto, fúnebre. O prata e o dourado, cores nobres de expressão elevada, não são utilizadas nos tratamentos. "Essas cores são muito sublimes e não costumam ser usadas pelos seres humanos", diz Maria Cecília. O verde claro é anti-séptico, sedativo e repousante; o escuro é energético.
Já a cor azul claro é repousante; o escuro é excitante, coagulante e estimulante; o azul mar é tranquilizante, com energias potenciais que agem no fundo do metabolismo celular - nas crises,é mais rápido nos efeitos, atua mais longamente e pode ser aplicado em hemorragias. O cinza é opressor, produzindo sensação de solidão e isolamento. Impede a recepção de boas sensações.
O vermelho forte representa dinamismo, atrai e repulsa ao mesmo tempo, é irritante e agressivo, construtivo, multiplicador de energias. É adequado para o tratamento de fraquezas, anemias e depressões físicas. O vermelho claro é aplicado em perturbações menos intensas como cauterizações de tecidos e cicatrizações de feridas e cortes. O rosa representa harmonia, amor, tranquilidade, estímulo a funções cardíacas e glandulares. "O azul dá mais equilíbrio ao paciente, o rosa é orientado a pessoas desanimadas, com muita mágoa", comenta a especialista Maria Cecília.
O amarelo forte é estimulante mental, indicado também para lesões oculares. Reativa energias e é reconstituinte celular em doenças crônicas e anemias. O violeta é bactericida, higieniza feridas e infecções, e a cor púrpura é extremamente depressiva, agressiva e irritante.
É importante ressaltar que, nas aplicações, deve ser utilizado um projetor cilíndrico de 6 a 7 centímetros de diâmetro, com encaixe para lâmpadas coloridas ou filtros. Os doentes devem deitar e relaxar o corpo, em ângulo de 45 graus. A projeção é feita rente à pele, ou afastada a maior ou menor distância, segundo a gravidade do caso e a resistência do paciente.
As aplicações, geralmente, são diárias, com 5 minutos de demora de projeção em cada ponto, obtendo assim maior penetração possível dos raios coloridos nos órgãos ou tecidos. Antes de iniciar o tratamento, é fundamental determinar a natureza da perturbação mediante diagnóstico médico. Quando constatadas dores reumáticas nos joelhos, por exemplo, já se induz a aplicação de cores quentes (vermelha, laranja e amarelo). Neste caso, são realizadas projeções diretas nos joelhos e, por extensão, nas pernas. A cor alaranjada é aplicada durante cinco minutos em cada perna. Em seguida, é aplicado o azul marinho no mesmo local, para vitalização dos tecidos.
Fonte: MundoCor

Nenhum comentário:

Postar um comentário